Produção Sustentável de Alimentos

Nessa aula, você vai ver que:

  • - As vantagens de consumir alimentos produzidos localmente
  • - As bases da sustentabilidade na produção de alimentos
  • - Exemplos de selos e certificações da alimentação sustentável
  • - Políticas de apoio às práticas agrícolas sustentáveis



ASSISTA: Certo ou Errado? Teste seus conhecimentos




PENSE: Sua comunidade valoriza os alimentos regionais?

Todos nós vivemos com segurança alimentar e nutricional se nosso país tiver soberania alimentar. A noção de soberania alimentar diz respeito ao direito dos povos de definir o que vão produzir, como e quanto vão produzir e o que vão consumir, respeitando a cultura alimentar de cada região.

Nesse sentido, o Estado deve levar em conta os hábitos alimentares que fazem parte da cultura do país. A elaboração de políticas públicas deve ter como um dos principais objetivos estimular e viabilizar a produção de alimentos saudáveis tradicionalmente produzidos por todos nós.

Um fator importante quando falamos em soberania alimentar é o cultivo e o consumo de alimentos regionais. Cereais, frutas, legumes, raízes e tubérculos nativos da região, quando cultivados em seu local de origem, tornam-se naturalmente mais resistentes às pragas e mais ricos em nutrientes.

O cultivo de alimentos de nossa própria região respeita a variedade e os hábitos alimentares que fazem parte de nossa tradição. O consumo de alimentos regionais também gera trabalho e renda para o pequeno produtor, promovendo o desenvolvimento social e econômico das famílias da zona rural.

Observe no infográfico alguns dos alimentos típicos das regiões do Brasil. Você deve conhecer muitos outros.



INFOGRÁFICO: Alimentos típicos das regiões do Brasil



QUAIS SÃO OS LEGUMES, TUBÉRCULOS, FRUTAS OU PEIXES TÍPICOS DE SUA REGIÃO?


VOCÊ E SUA FAMÍLIA CONSOMEM FREQUENTEMENTE ESSES ALIMENTOS? POR QUÊ? OU POR QUE NÃO?



Para mais informações sobre os alimentos e pratos típicos de cada região do Brasil, acesse o caderno Alimentação e Cultura, produzido pela Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília em parceria com o Ministério da Saúde.

Veja também o guia de Alimentos Regionais Brasileiros do Ministério da Saúde.



SAIBA: As bases da sustentabilidade na produção de alimentos

Produzir alimentos de maneira sustentável não é apenas deixar de usar pesticidas. A sustentabilidade pode ser alcançada por meio de vários sistemas de produção, nos quais o solo, a água e a vida são manejados de modo equilibrado, com reciclagem de materiais e nutrientes, conservação dos recursos naturais, uso eficiente da energia, redução de resíduos e substituição de insumos químicos por produtos e tecnologias específicos e não contaminantes.

Tanto a agricultura familiar como a produção de alimentos em grande escala podem se tornar sustentáveis. Mas, para isso é preciso entender as bases da sustentabilidade na agricultura e na criação de animais.


1. Clima
Vivemos em um país tropical, com sol e calor o ano inteiro e pouca variação na duração do dia e da noite. Isso permite cultivar alimentos e criar animais em todas as estações e até obter diversas safras por ano.

2. Sombra
Sob o sol forte, a água evapora rápido, a temperatura do solo aumenta e perde-se a microflora e a microfauna responsáveis pela fertilidade da terra. Por isso, é importante manter o solo sempre coberto, sombreado. Para os animais de pasto, a oferta de sombra também se converte em aumento de produtividade.

3. Diversidade
A ausência de invernos rigorosos favorece a vida, inclusive a dos insetos-pragas e ervas daninhas. Por isso, é preciso imitar as florestas tropicais e fazer plantios bem diversificados, para evitar a proliferação das espécies prejudiciais e reduzir a necessidade de pesticidas.

4. Especificidade
Quando as pragas driblam a diversidade e atacam as lavouras, o ideal é usar meios de combate específicos e não aplicar químicos genéricos, que eliminam todo tipo de inseto, inclusive os benéficos. Muitas pragas já são combatidas com insetos ou fungos, chamados de bioinseticidas.

5. Rotação
Plantas diferentes têm raízes de tamanhos e profundidades diferentes. Por isso, os nutrientes do solo rendem mais se uma cultura de raízes curtas é sucedida por outra de raízes longas. E o aproveitamento é ainda maior se uma das culturas em rotação for um adubo verde, ou seja, uma leguminosa que absorve nitrogênio da atmosfera e o libera no solo para servir de nutriente à cultura seguinte.

6. Cuidados com os animais
Animais de criação não são máquinas de produzir carne, ovos e leite. Eles precisam ser bem alimentados e bem tratados para manter a saúde e fornecer alimentos de boa qualidade.

7. Eficiência
Na produção de alimentos, como na natureza, nada se perde e nada se cria, tudo se transforma. Os resíduos agrícolas servem para produzir adubos orgânicos, usar como ração, gerar energia, proteger o solo e muitas outras utilidades, incluindo algumas a serem descobertas, quem sabe por você, Jovem Cientista.



Produção sustentável de alimentos
=
manejo inteligente do solo, da água, dos nutrientes e dos animais, sem desperdícios e com sistemas de produção adequados ao clima e às características locais.





EXPERIÊNCIAS

Conheça Louveira, município no interior de São Paulo conhecido por seus vinhedos, que incentiva a fruticultura com ênfase em novas técnicas de manejo e conservação de água, descrita no blog AgriSustenta.

Conheça também a Vila Yamaguishi, em Jaguariúna (SP), referência na produção orgânica de ovos.

Várias experiências de sucesso também estão disponíveis no site da Associação de Agricultura Orgânica.

Para mais informações sobre programas de Desenvolvimento Sustentável na Agricultura, Pecuária e Floresta, visite o site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).




SAIBA: Selos atestam sustentabilidade

A opção do consumidor por alimentos seguros e nutritivos, produzidos de forma sustentável, estimula a expansão desse tipo de agricultura.



Os alimentos orgânicos são identificados por este selo em sua embalagem. Os alimentos sustentáveis podem ter outros tipos de selos, conforme a certificação obtida pelos produtores. Estes são alguns dos exemplos.







COMPARTILHE

Você, sua família ou escola consomem produtos orgânicos e sustentáveis? Quais? Visite com atenção a despensa e o refrigerador de sua casa ou escola e verifique se algum dos produtos tem um selo verde. Se for o caso, fotografe e compartilhe com a gente pelo o #PremioJovemCientista





ASSISTA: Alimentos sustentáveis






SAIBA: Como se pode incentivar a produção sustentável de alimentos?

Agora que você já conhece alguns princípios da agricultura sustentável e aprendeu que a produção de alimentos nutritivos e saudáveis depende da gestão inteligente dos recursos naturais, vale a pena se informar sobre algumas políticas de apoio às práticas agrícolas sustentáveis.

Em 2012, o Governo Federal regulamentou o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), com os seguintes objetivos:



I - incentivar a agricultura familiar, promovendo a sua inclusão econômica e social, com fomento à produção com sustentabilidade, ao processamento, à industrialização de alimentos e à geração de renda;

II - incentivar o consumo e a valorização dos alimentos produzidos pela agricultura familiar;

III - promover o acesso à alimentação, em quantidade, qualidade e regularidade necessárias, às pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional, sob a perspectiva do direito humano à alimentação adequada e saudável;

IV - promover o abastecimento alimentar por meio de compras governamentais de alimentos, inclusive para prover a alimentação escolar nos âmbitos municipal, estadual, distrital e federal, e nas áreas abrangidas por consórcios públicos;

V - constituir estoques públicos de alimentos produzidos por agricultores familiares;

VI - apoiar a formação de estoques pelas cooperativas e demais organizações formais da agricultura familiar;

VII - fortalecer circuitos locais e regionais e redes de comercialização;

VIII - promover e valorizar a biodiversidade e a produção orgânica e agroecológica de alimentos, e incentivar hábitos alimentares saudáveis em nível local e regional; e

IX - estimular o cooperativismo e o associativismo.

(Decreto no 7.775 de 4 de Julho de 2012)



Um mês mais tarde, o Governo Federal também aprovou a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PNAPO) “com o objetivo de integrar, articular e adequar políticas, programas e ações indutoras da transição agroecológica e da produção orgânica e de base agroecológica, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da população, por meio do uso sustentável dos recursos naturais e da oferta e consumo de alimentos saudáveis”.

(Decreto no 7.794, de 20 de agosto de 2012)

Com estas medidas foi regulamentada a compra institucional de produtos exclusivamente orgânicos, agroecológicos ou da sociobiodiversidade por órgãos governamentais, o que desde então funciona como um incentivo à adoção de práticas sustentáveis por agricultores familiares e beneficia consumidores de alimentos por eles produzidos.



VERIFIQUE SE SUA ESCOLA E SEU MUNICÍPIO COMPRAM PRODUTOS ORGÂNICOS, AGROECOLÓGICOS OU DA SOCIOBIODIVERSIDADE, POIS ESTA É UMA BOA MANEIRA DE GARANTIR A SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM SUA COMUNIDADE.





Pensando em você, Estudante do Ensino Médio, que está disposto a contribuir com soluções para melhorar a produção sustentável de alimentos, elencamos alguns desafios para inspirar o início de sua pesquisa.

Desafio 1

Considerando que em muitas regiões brasileiras a grande restrição à agricultura é a estação seca prolongada, estude as plantações de sua comunidade ou município e avalie a eficiência dos sistemas de irrigação.

Há muito desperdício de água? O solo é protegido contra a evaporação da água ou fica exposto? A água desce por gravidade ou é preciso usar bombas? Dá para tornar a irrigação mais sustentável?

Proponha um sistema de irrigação que otimize a água disponível; que não degrade o solo e seja eficiente do ponto de vista energético.



Desafio 2

Sabendo que os restos de colheita são recicláveis e podem se transformar facilmente em insumos para novas culturas ou em ração e cama para a criação de animais, estude uma nova forma de reciclar resíduos agrícolas. Converse com os agricultores de sua comunidade ou município e pergunte o que eles costumam fazer com os restos da colheita.

Haveria um destino mais adequado para os resíduos? Verifique também se pode haver alguma interação entre a cidade e as lavouras de produção de alimentos. Resíduos urbanos podem ser reciclados e usados nos campos? Resíduos do campo podem ser usados de alguma forma na cidade? O que pode ser testado?



Desafio 3

A integração Lavoura-Pecuária-Floresta – também conhecida como iLPF – tem sido uma forma de produção cada vez mais adotada no Brasil, podendo chegar a 20 milhões de hectares nos próximos 20 anos. A iLPF consiste na diversificação e integração dos diferentes sistemas produtivos (agrícolas, pecuários e florestais), dentro de uma mesma área, em cultivo consorciado, em sucessão ou rotação, em grandes ou pequenas propriedades.

Se você vive numa área próxima a florestas ou se interessa pelos ambientes florestais, investigue esse tema. Existem sistemas de iLPF em sua região? Qual é o potencial? Se algum proprietário já o adotou, que comparações poderia fazer com outros que não o adotaram? Quais são os ganhos e os investimentos a serem feitos?

Se você aceitou algum desses desafios ou preferiu desenvolver outros, inscreva os resultados no XXVIII Prêmio Jovem Cientista e tenha sua pesquisa avaliada por especialistas de renome na área de Segurança Alimentar e Nutricional.
www.jovemcientista.cnpq.br