Inovações na conservação e aproveitamento integral dos alimentos

Nessa aula, você vai ver que:

  • - Do campo à mesa, perde-se muito alimento que poderia suprir a carência alimentar de todo o mundo
  • - A higiene é grande aliada na conservação de alimentos
  • - Ao descartar cascas, sementes, talos e folhas descarta-se também boa parte das vitaminas e minerais
  • - Inovações na conservação e aproveitamento integral dos alimentos já estão em curso



PENSE: Por que tanto desperdício?

No Brasil, ocorrem perdas de alimentos desde o plantio até a hora de comer. O desperdício é superior a um terço de tudo o que é produzido e acontece em todas as etapas: cultivo, colheita, transporte, armazenagem, processamento, atacado, varejo e mesmo no preparo final da comida. Só dentro de casa uma grande quantidade de alimentos é desperdiçada por falta de higiene e de conservação adequada e devido aos hábitos alimentares que privilegiam apenas uma parte do alimento.

Assista ao vídeo Os Números da Comida, produzido pela revista Galileu.



EM CASA OU NA ESCOLA, VOCÊ UTILIZA E CONSERVA OS ALIMENTOS DE FORMA ADEQUADA? QUANTA COMIDA VOCÉ JOGA FORA? COMO PODERIA REDUZIR OS DESPERDÍCIOS?




OUÇA: Programa de rádio sobre doenças transmitidas pelos alimentos







SAIBA: Alimento bem conservado é alimento seguro e nutritivo

É importante se informar sobre os cuidados de conservação necessários com os alimentos. Se mal compreendidas as medidas de proteção podem causar mais desperdícios.

Higiene: Todo alimento vendido fresco e a granel deve ser lavado com água tratada. A principal exceção são os ovos porque as bactérias nocivas podem penetrar pela casca molhada. Na hora de comprar peixes e carnes, prefira os estabelecimentos com prateleiras refrigeradas e protegidas, onde as moscas, formigas e outros insetos não têm acesso aos produtos.

Temperatura e umidade: As bactérias e fungos que contribuem para a deterioração dos alimentos proliferam com calor e umidade. Manter os alimentos refrigerados ajuda a diminuir a contaminação por esses agentes biológicos, mas também é importante que eles estejam secos. Após lavar frutas e verduras, deixe escorrer bem a água antes de colocar na geladeira.

Oxidação: Os vegetais continuam a amadurecer/envelhecer mesmo depois de colhidos, simplesmente por estar em contato com o oxigênio do ar. Colocá-los dentro de uma embalagem, retirar o ar e fechar bem, ajuda a retardar esse processo.

Contaminação biológica: Ao guardar frutas à temperatura ambiente, proteja-as com uma tela ou filme plástico e deixe para lavar antes de consumir. Nunca deixe alimentos expostos, prefira guardar em potes, vidros, latas. Você não vê, mas baratas, formigas, moscas, ratos e outros animais podem entrar em contato com os alimentos e transmitir doenças ou acelerar a deterioração.

Contaminação química: Os produtos de limpeza e inseticidas caseiros contêm substâncias prejudiciais à saúde e não devem entrar em contato com os alimentos.

Congelamento e descongelamento: quando as carnes são descongeladas em água quente ou à temperatura ambiente, várias bactérias nocivas proliferam rapidamente e o cozimento não mata todas elas. O ideal é planejar o uso dos alimentos congelados e deixar descongelar na geladeira. Se não for possível, descongele no micro ondas ou em água fria corrente. Os alimentos crus descongelados só podem voltar a ser congelados após o cozimento, caso contrário há risco de contaminação por bactérias.


Capacitação
Agricultores familiares, pequenos criadores de gado, pescadores, merendeiras e outros profissionais na cadeia produtiva da alimentação podem receber capacitação em técnicas de conservação e higiene.

Há várias iniciativas em estados e municípios que oferecem programas gratuitos nesse campo do conhecimento, assim como estão disponíveis diversas publicações com recomendações e dicas, a exemplo da cartilha Higiene, Armazenamento e Conservação dos Alimentos , da Prefeitura de Belo Horizonte.



INFOGRÁFICO: Boas práticas de higiene pessoal






ASSISTA: Uso integral dos alimentos






SAIBA: Os nutrientes estão em todas as partes do alimento

Por questões culturais ou gosto pessoal, muitas vezes jogamos fora as partes mais nutritivas dos alimentos. A casca da maçã é o exemplo mais conhecido: a maioria das pessoas tira a casca, mas ali há uma concentração 87% maior de substâncias que previnem o câncer do que as existentes na polpa da maçã.

Com frequência, as cascas contém vitaminas e minerais que não estão presentes na polpa. Isso acontece porque as cascas servem para proteger a polpa contra o ataque de pragas ou contra o mau tempo e, portanto, têm compostos diferentes. A pele de um pepino, por exemplo, contêm a dose diária de silício necessária para produzir o colágeno de que nosso corpo precisa. As cascas das jabuticabas possuem alto teor de antocianinas, antioxidantes importantes na prevenção de danos às células cerebrais, assim como vários outros frutos com cascas vermelho-escuras a pretas.

Conheça outras propriedades de substâncias contidas nas cascas das frutas:


  • - Estimulam o sono
  • - Favorecem o bom funcionamento do cérebro
  • - Dificultam a formação de pedras nos rins
  • - Regulam o colesterol
  • - Estimulam as defesas do organismo, são antioxidantes
  • - Ajudam a prevenir alguns tipos de câncer e doenças cardiovasculares

Assista a uma reportagem com a nutricionista Raphaella Cordeiro e aprenda como aproveitar integralmente os alimentos, como cascas e talos.

Acesse o site da ONG Banco de Alimentos e aprenda a aproveitar integralmente os alimentos em sua casa.




SAIBA: Cuidados com as embalagens

Embalagens para a conservação

As embalagens de transporte e de comercialização podem proteger os alimentos contra amassados, contaminantes, bactérias, fungos, animais vetores de doenças e até contra a oxidação. Mas atenção: algumas embalagens devem ser obrigatoriamente descartadas (ou recicladas ou devolvidas) depois de cumprir sua função. Uma lata de molho de tomate industrializado protege o conteúdo até o momento em que é aberta. A partir daí, o molho deve ser consumido o mais rápido possível ou transferido para vidros e potes para evitar a proliferação de bactérias responsáveis por intoxicações alimentares.

De certa forma, a casca de muitos vegetais também funciona como uma embalagem, protegendo os grãos ou a polpa de contaminantes externos. Por isso, ao aproveitar integralmente os alimentos, tome o cuidado de lavar bem as cascas antes de incluí-las na receita.

Conheça as embalagens comestíveis, nova linha de pesquisa na Embrapa Agroindústria Tropical a partir de matérias-primas da biodiversidade brasileira, como cera de carnaúba, polpa de frutas tropicais e gomas, como a do cajueiro.

Veja como o Q-Protect, um produto desenvolvido na Universidade Federal do Ceará, pode ajudar a reduzir a contaminação química das frutas.



COMPARTILHE

Você testou uma receita com partes de alimentos que usualmente são descartadas e gostou do resultado, então compartilhe com o
#PremioJovemCientista




Pensando em você, Estudante do Ensino Médio, que está disposto a contribuir com soluções para melhorar a produção sustentável de alimentos, elencamos alguns desafios para inspirar o início de sua pesquisa.

Desafio 1

No Brasil, o transporte de alimentos é feito basicamente por caminhões. O índice de perda no transporte é alto simplesmente porque não há cuidado em cobrir os alimentos e protegê-los contra a chuva ou o sol forte, a poeira, os poluentes das rodovias ou a falta de ventilação.

Pesquise como os alimentos chegam à sua comunidade, ao seu bairro ou escola? Quanto do alimento é perdido somente no transporte? Que alternativas poderiam ser propostas para: reduzir os trajetos muito longos? Proteger melhor os alimentos? Aproveitar os alimentos que ficam parcialmente danificados (feios na aparência, mas ainda saudáveis)?



Desafio 2

Às vezes, a maneira como os alimentos são processados tem como objetivo sua conservação. Mas, as novas práticas de conservação também podem mudar os hábitos de consumo. Desde que os produtores de frutas passaram a fabricar polpas congeladas em lugar de frutas frescas, o consumo dessas frutas se generalizou pelo Brasil. O transporte por grandes distâncias deixou de ser problema e a rotina de quem prepara merendas e refeições ficou mais fácil.

Você consome frutas em polpa que não são de sua região, como cupuaçu, cajá, cacau, pitanga? Você imagina outras maneiras de processar os alimentos, mantendo sua qualidade e criando as mesmas facilidades?

Consulte o Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças da Embrapa para conhecer as técnicas básicas de preparo de alimentos não industrializados.



Desafio 3

O desperdício de alimentos em casa ou na escola começa com a dificuldade em planejar a quantidade de comida e o cardápio de cada refeição. Investigue como as pessoas responsáveis por cozinhar calculam o que vai ser feito a cada dia. Verifique quanto dos alimentos adquiridos vai para o lixo. 

Que partes estão sendo desperdiçadas? Muito alimento estraga depois de preparado? O aproveitamento de frutas e verduras é baixo? Muitas frutas e verduras estragam antes de chegar à mesa? Identifique os motivos mais comuns para o desperdício e proponha soluções locais.

E lembre: as opções podem ser compartilhadas e divertidas, como a organização de piqueniques de sobras, festas de troca de receitas, concursos de geleias de cascas entre outros.

Se você aceitou algum desses desafios ou preferiu desenvolver outros, inscreva os resultados no XXVIII Prêmio Jovem Cientista e tenha sua pesquisa avaliada por especialistas de renome na área de Segurança Alimentar e Nutricional.
www.jovemcientista.cnpq.br